Religiosidade

Farisaismo o principado da religiosidade.
A “religião” afasta toda e qualquer possibilidade de convivência entre os opostos, mas vendo que isso é quase que, ou melhor, isso é inerente ao ser humano que, quando vê um diferente ou um pensamento diferente a primeira coisa é discordar e tentar desesperadamente refutar até não ter mais argumentos, para depois de um tempo pode até entrar em concordância.
Mas voltando ao ponto inicial veremos que o homem cria suas religiões baseados em alguma experiência sobrenatural ou a partir de um pensamento do qual ele conduzido por sua cosmovisão e assim produziu um fruto segundo sua construção e com elementos que devem ser alicerces de sua racionalidade, isso, porém, não quer dizer que este ou aquele esteja completamente certo em sua “religião” o livre pensamento é uma coisa em que o homem (gênero humano) ainda não sabe e não consegue lidar com isso, pois vejo pessoas com tanto conhecimento e tantas letras que me deixam atônito, pois o conhecimento é tão extenso que dá até medo, mas após uma conversa e uma troca de ideias vemos que aquele conhecimento não produziu uma libertação dos dogmas e paradigmas e estes permanecem tão intactos quanto em um individuo extremista que foi doutrinado a pensar daquela forma. Essa é a essência da “religião” produzida pelo homem (gênero humano) criar dogmas e paradigma monolíticos e que são pilares que jamais poderão ser mudados ou lapidados, assim produz uma convivência entre iguais que se alegram com sua doutrina e permanecem inertes ao próximo que não possuem tal pensamento, ou não professam a mesma fé isso não se refere ultimamente e somente a “religião”, mas é inerente a quase toda linha filosófica ou seja lá qual a nomenclatura dada.
Independente de qualquer outra razão a “religião” está entre os maiores motivos para guerras, assassinatos e toda a sorte e qualquer forma de violência contra o semelhante, e que chegou ao ponto de levar alguns a dizer que a “religião” é veneno, concordo que sendo radical não só o prosélito, mas o que vê de fora a “religião” é um veneno, mas, porem, deve-se ter em mente o livre pensamento o foco disso deve ser este o livre pensamento, mas como falei anteriormente se esse não é o ponto de discórdia haverá, sim haverá sempre um ponto de discordância, pois como dito antes o ser humano não consegue conviver com o livre pensamento, assim como a maioria dos mitos idealizados pelo homem a justiça não alcança a plenitude em sua ação terrena que poderia produzir a paz tão sonhada e idealizada pelos criadores de doutrinas e filosofias.
A “PAZ” é um produto que é gerado pela justiça inclusive a bíblia é uma fonte onde pode ser encontrado esse argumento, “E o efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre.” Isaías 32:17 Somente quando a justiça é plena haverá “PAZ” esse não é um mito ideológico, pois está embasado em uma das produções literárias mais antigas da terra a bíblia, logico que você pode discordar, mas como disse é o livre pensamento que vai nos conduzir na argumentação, porém devemos ter um embasamento teórico anterior de algumas experiências que nos levem a ter bases para ser um pensamento consistente. Ai você diz “mas você disse que era um livre pensamento e agora apresenta a bíblia como argumento”, calma, tem que ter uma linha de raciocínio para a construção e ter parâmetros que podem nos levar a construir essa “PAZ”. Como dito antes a bíblia trás em seu amago um dos maiores sonhos do homem que é bem simples que é ter “PAZ” e mostra em suas histórias a busca dessa PAZ, e no livro citado acima do profeta Isaias vemos que paz essa é produto direto da justiça, mas o que é a tal de “JUSTIÇA”, seguindo o pensamento bíblico vai chegar à conclusão que “justiça” “Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus.” Romanos 10:3 é a perfeita integração do homem com a divindade que transcende o pensamento humano de uma ação que foi gerada para que o homem possa ter essa justiça e obtenha PAZ “Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.” Romanos 4:3. A justiça geralmente é confundida com castigo e coisas ruins, mas o sentido original é que ela venha para por ordem aonde o caos impera, essa visão distorcida da justiça geralmente nos é dada através de nossa vida que crescemos com os puxões de orelha de nossos pais e muitas vezes a ilusão de que a justiça é cega, mas essa se baseia em fatos onde a partir destes tem-se os argumentos.
Mas a justiça de Deus geralmente é interpretada também como algo que irá trazer a destruição, ou promover destruição, essa aparente destruição, mas na verdade ela apenas vai dar o endereço certo nas coisas que estão fora do lugar.
A bíblia esse livro tão adorado e odiado através dos séculos nos revela uma posição em que o homem pode e deve ter em relação ao Criador a divindade de tornar-se filho, porém na maioria das argumentações o que vemos são pessoas tentando impor dogmas e paradigmas que não corroboram na construção da Paz, mas são opositores a esta, pois trazem em suas linhas argumentos que municiam a descriminação e o abandono no Novo Testamento em Tiago “Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.” Tiago 3:17-18 Esse texto é rico em coisas que nos cristãos da igreja de hoje não praticam, a causa da religiosidade é que leva o homem a ser exclusivista, assim como no passado os Hebreus eram a nação de Deus e que Ele elegeu para ser luz na terra e dar em atitudes e ações o testemunho de Deus em sua infinita misericórdia queria fazer o homem ser o seu filho, estes por razões não obedeceram a Deus e se tornaram uma casta especial e de um “status” especial sobre os outros povos, pois Deus tinha dado a ordem deles não se misturarem, mas era para mostrarem que Deus age em nós para nos tornar filhos. E não para segregar e descriminar outros povos.
Jesus vem e mostra de forma pratica como o “religioso” deve agir; separado do mundo, mas sem sair dele e sem se contaminar com suas coisas, promovendo o amor e a reconciliação, não descriminando e colocando suas etiquetas em cada ser que vagueia sobre a face da terra. Alguns entenderam que devem mudar, e vestiram roupas diferentes, outros entenderam que precisam se purificar e se absterem do mundo e se enclausuraram, outros entenderam que deveriam ser diferentes e não usarem as coisas do mundo e vivem sem energia elétrica e as facilidades do mundo moderno.
Mas onde, e eu pergunto onde estão os que fazem diferente, vivem no mundo e não contaminam, mudaram e permanecem com vestimentas normais, os que entenderam que deveriam se purificar e permaneceram sem se corromperem, que não deveriam usar das coisas mundanas, mas usam as tecnologias para a glória de Deus.
Esse é ponto onde devemos ver a diferença entre a multidão que segue em acordo com o mundo e faz de suas atitudes um ciclo vicioso que permanece em atitude que não glorificam a Deus, mas seguem com padrões que a primeira vista parece ser de obediência, mas na verdade é só engano e hipocrisia sem singeleza e sem o amor ao próximo, e promovendo o mal e a guerra entre os diferentes.
Religiosidade essa é a ferramenta que o inimigo das almas usa para abater os que entusiasmados seguem com a força de seus braços a alguma forma de “religião”.
Tiago no fala ainda que “A religião que Deus, o nosso Pai aceita como pura e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo.” Tiago 1:27. E por que nós ainda tentamos a Deus e fazemos conforme todos os antepassados que sem amor viveram?
Hoje muitos querem somente ter ou existir dentro de uma “religião” em que se promova o bem estar e que não passem aflição, e que nenhum mal as aflija, mas não vejo isso na bíblia, onde o arrogante terá e aquele que não tem amor ao próximo será prospero, mas o que vejo é que o Senhor habitará com o humilde de coração e contrito de alma. Hoje entendem que uma vida vitoriosa só o é, se regada de bens materiais e se estabelecerá sobre todos sem precisar dar esmolas e sem ser humilde.
Onde hoje podemos encontrar livres pensadores que por sua livre e espontânea vontade queiram ser humildes, mas o que vemos são pessoas cheias de si mesmas com um olhar altivo de uma superioridade “intelectual” que qualquer outra pessoa se sentirá uma ameba, porque obteve algum conhecimento “diferente” daquele que a maioria tem, ou acha que seu “status” é melhor porque ele nasceu em um lugar especial.
Somente uma forma de atingir Paz, é o caminho do arrependimento, do coração quebrantado, do humilde e puro de coração, com mãos limpas, sem nenhuma vestimenta especial, mas nus diante do Senhor com todas as nossas vergonhas descobertas sem nenhum verniz ou lixa alisando nossa cara ou maquiagem que possa esconder nossas rugas nem mesmo um satinado para mascarar nossas falhas. Sim, somente um homem que se deixa ser envolvido pelo amor divino e sua essência pode intender que a Paz tão almejada vem da parte daquele que fez todas as coisas, o criador que com suas mãos fez o homem dando forma e produzindo com seu sopro (pneuma) de vidas a vida existencial do ser que hoje eu e você podemos disfrutar, uma carne que pensa e raciocina e chega num único denominador que é produzido pelo Espirito Santo à consciência de ser e não apenas “cogito, ergo sum” ou ainda “Dubito, ergo cogito, ergo sum”, mas a consciência de ser e existir vem de uma plenitude da qual a sensações dos nossos sensores vitais não podem dar um norte para nos guiar, mas essa sensação de norte vem pelo espirito do qual o ser humano natural está privado e é necessitado de ser avivado para que este norte volte à vida e comece agora ver a sinalização sobrenatural que o leva a este perdão e logo a Paz tão sonhada e almejada.
A única resposta para esta inquietante borbulhar do homem é justamente a resposta mais louca e escabrosa pode ser respondido, que é através da loucura da cruz onde eu e você podemos se encontrar na verdadeira natureza, a da criação primeira para que esse viver venha e se torne o real no entendimento que o Senhor nos deu em Paz para que eu e você pudéssemos disfrutar do amor que permanece para sempre.
A única resposta para sua pergunta (Onde posso ter paz?) é somente em Cristo que todas as suas inquietações são respondidas e todo medo é curado, toda a ansiedade é acalmada, no espaço que teu Pai preparou desde a eternidade para que você pudesse disfrutar de uma intimidade impar com o Criador um acesso único e privilegiado, não para te tornar especial, mas sim, para trazer a mensagem especial em teu coração e dizer que você pode ser filho e não servo, amigo e não qualquer, para compartilhar com seus outros irmãos e amigos o amor que nunca esfria e nunca para e nunca descansa, e desde a eternidade está borbulhando por você.
Para que você não seja apenas um religioso, mas que a religião faça você ser a trombeta que anuncia essa reconciliação do Pai que chama a seus filhos para casa, pois a noite vem chegando e Ele deseja que todos os seus filhos entrem para não ficarem na escuridão, na casa de meu Pai há muitas moradas e nosso amigo está preparando uma especial para nós. Aqui apenas corremos a carreira proposta, mas na eternidade que nos espera estaremos em seu colo e como filhos desfrutaremos da sua plena presença, a shechina do Pai.
Venha sem demora o Pai te espera filho…

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.

Anúncios

Um comentário sobre “Religiosidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s